quinta-feira, 22 de março de 2007

O Brasil no contexto atual da globalização

Velha Ordem

Desde o final da Segunda Guerra Mundial até o final dos anos 80, vigorou no mundo a chamada ordem bipolar ou período da Guerra Fria, onde os EUA e a URSS eram as duas principais potências;

- Atenção para o fato de que esta é uma forma simplificada de se entender a organização do mundo. Os conflitos regionais ocorridos no período (120 no total) indicam que a visão da bipolaridade e da Guerra Fria são convenções. Nações socialistas e capitalistas se agrediram no período (Conflitos entre China, Vietnã e Camboja – socialistas; Iraque atacou o Irã, o que interessava aos Russos e Norte-americanos; O ditador argentino Leopoldo Galtieri – que era apoiado pelos países capitalistas, ocupou as Malvinas em 82 e foi contra-atacado pela Inglaterra, também capitalista); Podemos dizer que os conflitos foram gerados pelo avanço da modernização ou “interesses ocidentais”, como afirmou o ex-presidente Nixon;

- Na velha ordem, o Brasil, país capitalista, esteve alinhado ao lado dos EUA, em uma condição periférica (dependente de capitais, tecnologias, equipamentos, etc.), o que é típico de uma nação subdesenvolvida (na época, o chamado terceiro mundo);

Nova Ordem

- Com a reunificação das Alemanhas (1989); o desmembramento da URSS (1991) e as transformações no leste Europeu – entre outros, emerge um novo contexto mundial (uma nova ordem), chamado de multipolar. A formação dos blocos econômicos e a revolução tecnológica (3ª Revolução industrial) marcam este novo momento – da globalização.
- Nesse novo contexto, o Brasil procura afirmar-se como potência regional da América do Sul, a partir do Mercosul; Criado em 1991, o Mercosul conta com 4 países fundadores, sendo a economia brasileira a mais forte;
- O fim do período militar no país, que afirmou o capitalismo e a modernização urbano-industrial no Brasil, foi seguido por um período de abertura econômica chamada de neoliberal, imposta pelos governos Collor e FHC;
- A Nova ordem neoliberal é marcada por uma mudança do papel do Estado (idéia do estado-mínimo, por isso neoliberal) e uma maior abertura econômica do país (exemplo, privatizações de antigas estatais e incentivos à importação de novas tecnologias); Os governos latino-americanos, orientados pelo governo norte-americano e pelo FMI, adotaram receitas de crescimento criadas por intelectuais dos EUA (O chamado “Consenso de Washington”).

OBSERVAÇÕES:

GLOBALIZAÇÃO – Seria o atual estágio do sistema capitalista mundial, marcado pelas transformações sociais, políticas, econômicas e culturais impostas pela enorme produção e comercialização de bens, além do trânsito de pessoas, capitais e informações no mundo atual (as redes). Para muitos, a globalização econômica, enquanto um sistema econômico internacional, já vem se organizando há tempos. Mas não há dúvidas que o “fim do bloco socialista” e a revolução das novas tecnologias (de transportes e comunicações) criaram um cenário sem precedentes na história.
Segundo Ulrich Beck, pensador alemão, “a política da globalização não almeja romper somente as correntes sindicais, mas também as do Estado-Nacional (...) trata-se do desmantelamento do aparelho e da tarefa do Estado com vistas à concretização da utopia anarco-mercadológica do Estado mínimo”; Para Milton Santos, a globalização atual é o globalitarismo, imposto pelo mundo rico.

ESTADO – Refere-se ao poder político, ou seja, a organização institucional desse poder. Repare que o poder não é apenas monopólio do Estado, mas é exercido por várias instituições e esferas da vida, como a Igreja, a família, as relações pessoais, na escola ou no trabalho.
No Estado Moderno temos várias instituições reunidas, como o poder judiciário, o executivo e o legislativo, por exemplo. Os governos (forças políticas organizadas) assumem o poder no Estado.

ESTADO-NAÇÃO (país) – Refere-se ao conjunto formado por uma nação (grupo social e cultural) e um ESTADO, sobre uma base territorial definida. Os Estados Nacionais começaram a se formar a partir do século XVI e muitos ainda estão constituindo sua identidade nacional.

São funções principais do Estado:
Organização dos serviços públicos e das infra-estruturas. Exemplo: Contratação de professores e médicos para atender a população; Construção de estradas;
O planejamento (planificação nos países socialistas; atuação dos atores públicos e privados nos países capitalistas). Exemplo: a definição de uma zona industrial;
Coordenador dos fluxos de pessoas, mercadorias, etc. (fronteiras nacionais);
Coordenador das relações de comércio, transações financeiras e relações diplomáticas em geral;

Saiba ainda que:

NO ESTADO LIBERAL:
- o mercado é o mediador da distribuição dos recursos e das riquezas;
- o Estado tem atribuições essenciais, como atuar na política externa e conceder direitos sociais básicos, como educação para as crianças;
- as empresas estariam subordinadas às leis do mercado;
- livre concorrência entre os produtores, garantido bons preços e qualidade aos consumidores;

NO WELFARE STATE (Estado Regulador)
- O Estado combina elementos de controle e planejamento econômico com investimentos na área social. Surge como reação às crises do capitalismo (New Deal Norte-americano, imposto por Roosevelt na superação da depressão). É marcado pela:
. Ação social (seguro desemprego, combate à exploração no trabalho, auxílio alimentação, licenças, etc.).
. Intervenção econômica (ação nas grandes obras, modernização tecnológica, parâmetros básicos da economia, etc.).
OBS. Nos países subdesenvolvidos, como o Brasil, apenas parcialmente tivemos a estruturação de um estado do bem estar social;

No ESTADO NEOLIBERAL
- Nos anos 80, Reagan e Thatcher passam a propagar este ideal capitalista;
Como principais características desta ordem neoliberal, citamos:
. Redução do déficit fiscal e redução dos gastos públicos;
. Política de restrição à emissão de moedas e taxas de juros altas (gerando recessão), como forma de combater a inflação;
. Incentivo às exportações;
. Abertura econômica (fim do protecionismo, fim dos impostos de importação);
. Diminuição da atuação do Estado.
. Concentração dos investimentos no setor privado. Diminuição dos investimentos públicos.
. Privatizações de Estatais.
Como consequências, verificamos um erosão cada vez maior das relações sociais, aumento do desemprego formal, concentração das riquezas, aumento da violência provocado pelas desigualdades, etc.
- O tal “ajuste neoliberal” já foi levado bem a fundo por países como Chile, México e, em um segundo plano, pelo Brasil e a Argentina.

Na concepção de ESTADO NEO-ESTRUTURALISTA (CEPAL - COMISSÃO DOS ESTUDOS PARA A AL)
. Não dispensam o Estado como elemento intervencionista.
. Consideram os países latino-americanos muito vulneráveis às transformações impostas pela globalização.
. Defendem a reforma do Estado, a importância da educação, o fortalecimento das tecnologias locais.

2 comentários:

Conecte a poesia disse...

Amei o texto vai mim ajudar muuuuuuito!!!!!!!

Conecte a poesia disse...

Amei o texto vai mim ajudar muuuuuuito!!!!!!!